Um diagnóstico de câncer é uma das coisas mais temíveis que uma pessoa pode ouvir. E quando isso afeta um ente querido? Isso realmente vira o nosso mundo de cabeça para baixo.

Em maio de 2015, logo após Robert Kugler se formar na faculdade, ele recebeu uma notícia complicada: Sua labradora chocolate de 9 anos, Bella, estava com câncer e tinha no máximo 6 meses de vida. Desesperado, Kugler tomou uma decisão: iria passar todo o tempo possível com sua cachorra, até que a hora chegasse.

“Eles disseram que essa era a pior notícia que  poderiam me dar: ela tinha osteosarcoma avançado e o câncer já havia alcançado seus pulmões. Eles precisariam amputar sua pata ou sacrificá-la.”

Bella fez a cirurgia e Kugler, natural de Nebraska, decidiu que deveriam aproveitar o resto da vida dela ao máximo: os dois partiram em uma aventura para atravessar o país. Em suas viagens, os dois exploraram partes da Carolina do Norte, do Kentucky, do Tenessee, de Massachussets e de Ohio.

“Eu sinto que, nesse momento, esse é meu propósito. O atual capítulo da minha vida se resume a aventurar-me na companhia da minha cachorra.”

Ele diz que, talvez, tudo isso se explique por esse veterano da Marinha já não estranhar a tragédia de mortes prematuras:

“Eu perdi meu irmão no Iraque em 2007 e minha irmã mais velha em um acidente de carro há dois anos. Quando você vê vidas terminando tão cedo, antes que as pessoas possam fazer muitas das coisas que sempre sonharam fazer, a sua perspectiva de vida muda.”

“Eu vi em primeira mão o que acontece quando você não faz o que gostaria de fazer na vida: você simplesmente não faz.”

“Depois de perder a patinha para o câncer e terem lhe dado de 3 à 6 meses de vida em função do câncer em seus pulmões, Bella se juntou a mim em uma aventura através do país para explorar essa grande terra, visitar vários amigos, encorajar outros a sair e explorar, inspirar aqueles com deficiência a continuar amando suas vidas e curtir o momento, e claro, simplesmente aproveitar a companhia um do outro.”

Parece que os bons tempos e as boas vibrações também fizeram bem à Bella: já se vai um ano desde o diagnóstico e os dois continuam aventurando-se.

“Dia memorável, 2015… logo após perder a patinha. Quando tirei essa foto, pensei que nosso tempo juntos seria muito mais curto. Que benção nós continuarmos em frente 14 meses depois!”

“Se você me perguntar, nesse momento, o que eu preciso, eu direi: ‘Nada, eu tenho isso tudo.'”

Desejamos toda a sorte do mundo para esses melhores amigos! Temos certeza de que essas lindas memórias durarão para sempre! Veja mais fotos das viagens da dupla na página de Kugler no Facebook. Traduzimos algumas das mensagens de Kugler abaixo:

“Quando você pensa em repreender seu cão por quase pular fora do carro, e então percebe que ele está completamente imerso na natureza.”

“Não importa o quão ferozmente independente sejamos, de vez em quando nos encontramos em um lugar em que precisamos de ajuda. Aprender a aceitar essa ajuda sem deixar que isso afete nossos egos faz parte daquilo que chamamos de amadurecimento.”

“Enquanto me ajoelhava para tirar essa foto, não conseguia para de sorrir pensando nos vário lugares maravilhosos que Bella pôde explorar comigo e que grande soldada ela tem sido, inspiprando todos no caminho. Então sorri de novo, imaginando fazer o mesmo com meu filhote humano algum dia.”

“Quando a camada superior da neve congela, isso não é bom para as patas! E acaba não sendo bom para as costas. ;)”